Ela, moça intensa, que procurava em outros abraços um que não a ferisse tanto quanto o que a desmontou. Procurava em vários abraços a esperança de se sentir inteira novamente. Doava-se um pouco a cada pessoa para que talvez em uma utopia, encontrasse alguém que realmente a fizesse bem e não ligasse para suas partes mal encaixadas. E foi em uma dessas peças mal encaixadas, que encontrou alguém as endireitando.

Alguém inesperado.

E de tanto procurar em outros abraços, acabou esbarrando em um que a remontou de vez. A fez querer brilhar de novo. Um rapaz que queria ajudá-la, mas não queria se envolver. Não poderia. Ele estava de passagem pela cidade e não queria correr o risco de ver a bela moça tão triste outra vez. Mas quando tem de ser, as coisas são. E essa foi. É, e agora? Tão perto da despedida, o dilema entre o querer e o que podem ter se perde em meio à turbulência dos pensamentos não expostos. Ela queria mais tempo com ele. Ela queria ele. Ele queria mais tempo com ela e também a queria, mas o fim se aproximava e eles se sentiam como quando você pega uma flor para sentir seu cheiro mesmo ela tendo uma abelha em cima.

Eles sabem que vai doer a ferroada. Sempre souberam. Mas aquela flor, era pura e linda demais. Seu cheiro, só de longe, os faziam ter certeza que seria o melhor de todos. E mesmo sabendo que a ferroada viria, valeria a pena. Cada segundo com a flor seria especial. E a despedida? Quem precisa lembrar dela? Um dia tudo vai. Todos sempre vão, mas esse caso. Ah… Esse caso não será perdido no mar do esquecimento. Mesmo com a distância um ainda lembraria do outro e seria um pouco do outro, por mais que não pudessem se pertencer.

 

 

Flora Medeiros (escritor parceiro)

– – – – – – – – – – – – – – – –
Um pouco sobre ela: Sou pernambucana, tenho 19 anos e escrevo desde os 14. Já fiz intercâmbio para Nebraska, Estados Unidos, e foi lá que minha paixão pela escrita e leitura decolou. Meu passatempo preferido é assistir filmes. Além disso, amo fotografar e desenhar.

“Vir à flor, à tona, à superfície, emergir, assomar, aflorar!”

Página: http://www.facebook.com/afloraando