Pego sua mão e me aninho no teu peito. Tateio o seu rosto com o cuidado de quem toca uma estrela. Eu sinto o momento e deixo o meu universo inteiro se fundir ao teu, porque nunca tive medo de mostrá-lo a você. Você me conta aquela história que nunca contou pra ninguém e eu escuto, atenta, porque gosto de me sentir única, gosto de ser parte importante da tua história. Tu me faz rir, e os nossos sons ecoam pela casa silenciosa às 2h da manhã. Fingimos que nada no mundo poderá nos reprimir, porque gostamos de imaginar como seria uma eternidade só nossa.

Você fica. Fica e nunca parte. E todos os dias traz mais um pedacinho de ti pra mim, e eu guardo. Guardo porque quero poder ter você por inteiro, eu quero que se doe, e que confie que o meu amor é abrigo seguro pra você morar. Você fica. E no seu toque leve na minha nuca, no olhar pelo canto do olho, na entonação do “meu amor” eu sinto a permanência, e sinto que o ato de permanecer é amar.

Então fica, meu amor. Fica sem hesitar.

Aquela história toda de calma no centro do caos, nunca me foi tão real quanto agora.

A vida de ninguém é fácil, todos têm seus problemas que tendem a ter seu grau elevado a cada ano. E eu tenho as minhas crises, os meus desesperos, minhas inseguranças, porque todos os que não são perfeitos, têm. Por ser uma alma tão bagunçada eu sempre temi me despir da máscara social e ser eu, mas contigo eu pude! E você permaneceu.

Talvez na correria do dia a dia, você nunca perceba os meus olhos nos seus, tentando investigar o seu mundo, nunca perceba quando eu te beijo lentamente e depois sorrio, ou quando o meu abraço se aperta em torno de ti. Mas isso é gratidão, é a gratidão por permanecer todos os dias, e reafirmar o seu amor.

Na minha constante indecisão, em meu infinito paradoxo, na minha antítese de amor e ódio, eu nunca tive muitas certezas. Mas isso você me deu. Eu quero poder acordar todos os dias, e te ver com os cabelos desgrenhados, me olhando, enquanto diz com aquela voz rouca: “Bom dia meu amor, dormiu bem?”

 

– Gi Farneti (escritor parceiro)
– – – – – – – – – – – – – – – – –
Um pouco sobre ela: Uma simples estudante do Ensino Médio, que em meio ao caos do monótono cotidiano, e das profundas paixões, faz das palavras, o seu abrigo. Caminhando pra cursar Direito, fez-se poesia! Percorre os extremos entre ódio e amor em cada verso!

Página: www.facebook.com/gifarneti