Às 6 da manhã começa minha rotina. Dentre as minhas orações do dia, peço resignação para superar, da melhor maneira possível, as oscilações de humor que me acompanharão até o momento de voltar pra casa. Te encontrar me afeta; não te ver, também. Ao mesmo tempo em que tudo é tão certo, é tão inesperado. Metade do meu humor depende das suas atitudes. A outra metade, do meu jeito inconstante de te querer; e não te ter ao meu lado.

Às 9h, aparento ser alguém normal. Mantenho-me na linha, pareço concentrada. Mas, entre planilhas e e-mails enviados, me pego imaginando seu carro rondando a avenida; a música que você está escutando; o perfume que escolheu usar. E assim, a calma se reverte em agonia. Às 10h15, começo a tecer esperanças. Meus olhos inquietos esperam sua visita. De minuto em minuto, busco qualquer atualização no celular. Já passou das 11h30 e nenhum sinal de nova mensagem. O sorriso que eu dei há alguns minutos se apaga.

Às 13h, perco a fome, mas me obrigo a sair pra almoçar. Evito sua companhia, pois meu orgulho se agiganta. A essa altura, prefiro ficar sozinha. Ando nas ruas e rezo pra não te encontrar. Porém, se te vejo de repente, minha memória se confunde. O orgulho vira saudade. Às 15h50, sou feita de suspiros. Às 17h, sou fogueira de desejo cintilante. Mas se à noite não estou contigo, a tempestade me invade e me transforma em cinza e fumaça.

Você me faz transitar da apatia ao desejo, em segundos. Da decisão à completa incerteza. Da tristeza profunda à suprema alegria. Ou, pode ser exatamente o contrário. A minha ambiguidade, nada mais é que o termômetro entre sua partida e chegada, e, ao mesmo tempo em que adoro o jeito que isso mexe comigo, eu odeio me sentir assim: uma instabilidade ambulante.

Uma menina que esconde em segredo, uma mulher “bipolar”, completamente apaixonada.

 

Camila Barretto.

“Este texto faz parte da 2ª edição do Desafio das Palavras (Camila Barretto x Giulia Christy) – um jogo proposto com o objetivo de versar sobre temas vindos de fora pra dentro; inspirar-se ao contrário. Duas escritoras, cada uma com seu olhar sobre o tema/título.”