“Em uma conversa com meu íntimo, reparei que precisava refletir o rumo da nossa peculiar “relação”, que começou com e-mails formais, se desenrolando para calorosos bom dias, até chegar às conversas telefônicas infindáveis e, posteriormente, à necessidade viciante de receber aquelas cartas com envelope azul.

Minha necessidade de ficar sozinha se tornou mais imperiosa, quando, numa noite, tive um pesadelo com alguns desenganos do meu passado. Acordei lembrando que já havia sofrido por situações semelhantes e que até mesmo, já fui acusada por ter iludido propositalmente, sendo considerada uma vilã má, usurpadora de sentimentos.

Em casos extremos, já cheguei a romper relações de forma severa, deixando mágoas que até hoje não cicatrizaram. Mesmo a vida sendo assim, com suas dores e dissabores, eu receei, que entre eu e o Otávio ocorresse algo tão doloroso a esse ponto. E haveria grandes chances para isso: eu me aproximei dele e o aproximei de mim, e agora, por motivos que eram só meus, me afastei abruptamente.

Ah, o tal Efeito Girassol!”

Camila Barretto.
Trecho do Texto Efeito Girassol.