Eu queria ser sempre a mulher encantadora que arranca olhares pelos corredores, buzinas pelas ruas e suspiros derretidos nos elevadores. Eu queria ter sempre aquele brilho típico de quem é irresistível e estar sempre certa do meu vasto caminho e de todas as minhas decisões. Eu queria ser dona de uma segurança exemplar e ser capaz de me blindar de qualquer mágoa ou desilusão. Mas essa não é a realidade de quem se permite amar intensamente. O amor nos fortalece, mas também nos fragiliza.

A nossa vida passa a depender, de certa forma, das escolhas e vontades de um outro alguém.

E é na frágil morada dos meus pensamentos que eu me vejo indefesa nas mãos de um destino. Me vejo pequena e até incapaz de seguir os meus próprios instintos. E por mais que eu sustente um olhar seguro por aí, é quando eu te encontro que eu sinto o impacto das minhas fraquezas. Eu me escondo por entre dúvidas recheadas de medo e, acima de tudo, por entre certezas que me consomem. A maior delas, talvez, é de que você se tornará, em algum momento, uma escolha negada em minha vida. Um ponto de interrogação em um texto sem qualquer pergunta feita por mim.

É porque, a qualquer instante, você pode ir embora, mudar de cidade, e sobretudo, destruir os meus planos de te dar aquilo que eu sinto. E pior: da noite pro dia, você poderá me dizer que o nosso romance, ora de proporções intergalácticas, se tornou incabível pro nosso mundo tão particular. Que nosso universo de amor imenso transformou-se, de repente, em algo minúsculo. Que tudo entre a gente chegou ao fim. E algo me diz que meu poder de atração, os meus encantos, e a nossa história tão linda e verdadeira não terão mais importância quando chegar esse dia.

Logo você, escolhido à dedo, se tornará uma escolha em minha vida que não dependerá mais de mim.

 

 

Camila Barretto.

“Este texto faz parte da 2ª edição do Desafio das Palavras (Camila Barretto x Giulia Christy) – um jogo proposto com o objetivo de versar sobre temas vindos de fora pra dentro; inspirar-se ao contrário. Duas escritoras, cada uma com seu olhar sobre o tema/título.”