Volta e meia, me pergunto se você ainda não captou a mensagem. Se você ainda não entendeu o que já deixei registrado, de modo tão explícito, em forma de olhares e declarações. Sim. Eu já me declarei em prosa, poesia e através de palavras tão fáceis de compreender. Já disse com todas as letras que sinto s-a-u-d-a-d-e, já demonstrei o meu desejo de te ver outra vez.

No meu abraço, tentei deixar claro o quanto o seu calor é importante. Será que eu ainda preciso ser tão redundante a ponto de ter que bater em sua porta só para repetir aquilo que você já sentiu? Vai saber o que se passa em sua cabeça… Só sei que ultimamente fiquei curiosa para descobrir que parte do “sinto sua falta” você ainda não entendeu.

Vai ver, sua insegurança pode ser tão grande que não permite você se dar conta que ainda estou na sua. Ainda. Vai ver, seu orgulho é tão colossal que te faz incapaz de perceber que estou apenas esperando sua ligação. Será que você acha que, há pouco mais de um mês, quando eu disse que era melhor a gente se afastar, foi a coisa mais incrível que eu desejei te falar? Se você não sabe, eu te disse “adeus” com gosto de não-quero-te-perder.

Você pensa que no dia seguinte, logo após a minha conflitante decisão, eu me senti livre de você? Pelo contrário: não houve um dia sem que eu não me sentisse presa ao seu olhar e a todas as nossas lembranças. Eu ainda penso tanto em você. Quem dera você tivesse a noção do peso que sua lembrança me traz. Às vezes, me pergunto o que, afinal, você está esperando. Será que você só espera que eu te mostre esse texto?

Meu lado mais ingênuo ainda carrega a esperança de você estar achando que eu estou pouco me importando. Quem sabe, você ache que tudo aquilo que eu te disse há alguns dias, não passa de um jogo de mentiras e ilusão. Será que você acha que sua amizade é o meu prêmio de consolação? Às vezes, para não doer tanto, prefiro acreditar que você não é tão bom em interpretar sentimentos.

Se você não sabe o que eu sinto, eu te digo: eu sinto muito em não ter você por perto. E eu te quero. Eu quero seu coração – de um jeito nosso, daquele jeito. Eu quero ouvir de você que esse tempo todo você estava enganado, que todo esse tempo você achou que eu estivesse te enganando. Na pior das hipóteses, eu espero que você esteja imaginando tudo isso de um jeito errado, contanto que eu também tenha a chance de te provar o contrário.

Quem sabe essa distância que faz doer tanto o meu peito não passe de um perigoso desencontro, desses que quando não resolvidos a tempo, acabam afastando duas pessoas que se gostam tanto.  Mesmo correndo esse risco, eu quero que tudo não passe de um mal-entendido. Talvez assim, a gente se desculpe e ainda possa ter alguma solução.

Camila Barretto.