Eu sou assim mesmo, não repare a bagunça. Sou meio louca, boba e dramática quando estou perto de quem amo. Não sei ser insossa. Não sou boa em disfarçar sentimentos. Se eu sentir ciúmes, posso até ficar calada, mas você saberá pelo meu jeito nervoso de mexer no cabelo. Se eu sentir desejo, vou parecer um animal selvagem seguindo os instintos. Mas se eu sentir uma paixão arrebatadora, meu corpo gritará em silêncio e contará todos os meus segredos. Eu quero o copo meio cheio e nunca meio vazio. Eu não gosto do meio termo e você bem sabe disso. 

É porque quando eu gosto mesmo de alguém eu me sinto à vontade para ser eu mesma. Eu aumento o volume do som pra ouvir minha música favorita, eu canto alto sem saber a letra, eu me jogo numa dança esquisita e pareço uma menina de sete anos. Eu brinco, rio e choro se tiver vontade. Eu perco a timidez na sua frente, te chamo por apelidos fofos e digo palavrões inventados. Falo o que me vem na cabeça e esqueço que sou uma dama. Você me chama de maluca, mas parece que gosta disso. Eu sei que você gosta de mim.

Por isso, não repare a bagunça se eu te mostrar meus sentimentos. Ora sou efusiva, feito água em ebulição, ora escorrego dos seus braços, feito uma pedra de gelo. Falo demais, e até passo da conta. Mas sei pedir desculpas e reconhecer minhas falhas. Se eu quero distância, eu demonstro. Se eu sinto sua falta, te procuro. Eu ignoro os protocolos convencionais de esperar 48 horas para responder suas mensagens. Respondo quando posso, ou simplesmente, quando quero. E quando se trata de você, eu sempre quero responder o mais rápido possível.

É porque quando eu gosto mesmo de alguém eu quero me entregar sem medo. Eu peço colo, dou carinho e me exponho sem cerimônia. Você resistiu pra se adaptar ao meu jeito intenso, eu me lembro. Teve até medo de se apaixonar por mim, acredito. Mas a gente é feito um molde que demorou pra tomar forma, e que, com o tempo, ganhou um encaixe exclusivo. Agora a gente não se desgruda. E eu admito: não consigo mais me ver acordando sem sentir seus abraços e seus beijos; e você admira as minhas qualidades que, para tantos, já foram um defeito.

Meu jeito estranho, pra você, se tornou um diferencial mais que perfeito.

 

 

 

Camila Barretto.

“Este texto faz parte da 2ª edição do Desafio das Palavras (Camila Barretto x Giulia Christy) – um jogo proposto com o objetivo de versar sobre temas vindos de fora pra dentro; inspirar-se ao contrário. Duas escritoras, cada uma com seu olhar sobre o tema/título.”