Mais um ano que vai indo embora, e aí me lembro que estou ficando cada vez mais velha. Acho que você está ficando é louca – disse pra mim, certo dia, um dos meus lados mais puritanos. Há algum tempo, tenho guerreado em embates internos, e voltado pra casa com as dores das colisões de ideais, ainda com suas lanças em formação.

Será a crise dos 30 se aproximando, vagarosamente, como um ladrão? Talvez sim, mas, se a vida me permitir, ainda tenho algum tempo antes que a tal crise me roube a juventude dos vinte e poucos anos. Olhando para o céu de equívocos a meu próprio respeito, sob o efeito da brisa de uma suave indagação, eu medito e vejo que a música cantada por Raul Seixas, finalmente, faz sentido no meu contexto presente.
Sinto-me uma verdadeira metamorfose ambulante, não porque eu tenha preferido isso, mas porque acabo de deixar pra trás, nesse ano velho, aquela velha opinião formada sobre (quase) tudo. Ultimamente, tenho lido a respeito de algumas novidades, as quais, quase sempre, foram rejeitadas por minha soberba plenitude infantil.
Guardo no meu arquivo íntimo da memória, ocorrências novas que falam sobre a existência humana, mitos indecifráveis sobre o amor, tabus milenares e paradigmas sociais simples, mas, complexos demais de serem quebrados, apenas com o nascer de um novo dia.
Exige-se muito mais do que minha simples boa vontade e carisma: não posso mover a sociedade com a minha ingênua força do pensamento. Resta-me, pacientemente, acompanhar as águas da mudança, que, às vezes parecem pingar, gota a gota, rumo à evolução de uma incerteza gritante. Não quero ser revolucionária, nem te confessar segredos já não mais secretos.
Quero apenas escrever em paz, registrar a minha própria mudança, a fim de estudá-la com o cruzar das minhas idades e eras. Se eu ficar desmemoriada, terei uma parte dos meus problemas resolvidos. Quero ler o que, sóbria, escrevi sobre mim. Quero lembrar, um dia, de quem eu fui e aceitar, por fim, que eu nunca saberei quem serei de verdade.

Por mais autêntico, ninguém nunca saberá.

Camila Barretto.