Lembra do dia do nosso primeiro beijo? Se eu fosse fazer uma lista dos melhores momentos ao seu lado, certamente, esse dia estaria entre os dez primeiros. Esse foi um dia em que eu mal consegui conter a ansiedade para te olhar de perto. Um dia em que já acordei com o coração batendo a mil e que senti meu estômago se contorcer de tanta adrenalina. Essas foram as horas em que eu experimentei todos os sintomas de uma paixão de forma exponencial. Eu não conseguia me concentrar, um só minuto, em outro assunto. Eu estava enlouquecendo.

Você também não colaborou, sabe? Lembra da contagem regressiva que você fez a cada hora que se aproximava do nosso encontro? Você, do seu jeito, me seduziu.

Me recordo da nossa conversa, nos dias anteriores, de que não iríamos criar expectativas demais e que, possivelmente, se algo acontecesse entre a gente, seria a primeira e única vez. Seria um beijo e nada mais. Lembro que eu falei que tudo o que eu mais queria era ficar num cantinho reservado só para podermos conversar em paz. É claro que eu te desejava, mas, antes de tudo, eu só queria te ter por perto sem o medo de sermos interrompidos por algum olhar maldoso. Eu juro, eu só queria experimentar um único beijo. Mas você, facilmente, me venceu. E um beijo, de repente, ficou pouco.

Pois é. Até então, não havíamos, sequer, nos beijado. Mas, invariavelmente, o local propício daquela noite permitiu acontecer muito além do planejado. Também não imaginei que o nosso primeiro beijo seria naquele contexto e que fazer amor com você seria mil vezes melhor do que em meus sonhos. Aquilo foi uma novidade pra mim. Não imaginei que um dia, eu estaria num quarto, deitada nos braços de alguém, que, até pouco tempo, eu nem mesmo sabia o nome. Ali, eu não apenas me entreguei como nunca havia feito, mas quebrei muitos dos meus rígidos paradigmas.

O melhor de tudo foi que eu continuei me sentindo completamente à vontade, não só com a sua companhia, mas com o gosto da sua pele, com cada detalhe pertencente ao seu corpo. Sem qualquer timidez, contemplamos nossa nudez do corpo e da alma. Nessa noite, nos pertencemos, ainda acanhados, mas com a estranha certeza de que não nos arrependeríamos depois. De todo modo, estávamos convictos de que um forte elo entre nós estaria se consolidando naquele dia: o elo da intimidade. E pra mim, aquilo ultrapassou os limites de qualquer promíscua aventura.

Mas, apesar da entrega, do sexo e do gozo, este foi, e sempre será, o dia do nosso primeiro beijo.

 

Camila Barretto.