Sei que, no fundo, seu sorriso é um sujeito bondoso, pois, ao mesmo tempo em que me mata, consegue salvar meu dia. É o sorriso que pertence à moldura do seu rosto esculpido, que transborda seu contentamento pela minha chegada e que se atrapalha ao tentar esconder a timidez pelo meu encontro. Seu sorriso é o disfarce pela minha partida; às vezes, é enigma, máscara preta que não deixa revelar sua verdadeira identidade.

Apesar do pouco que te conheço, sei que você tem muitos jeitos de sorrir guardados, todos trancados naquele cofre em que também esconde os beijos e amores que um dia foram roubados de alguma pobre vítima apaixonada. Seu sorriso, além de ser ladrão foragido, é arma branca de coleção que mata sem fazer alarde. É faca cortante, que perfura quando vem na lembrança.

Se me mandassem escolher um só sorriso, seria aquele que você me mostrou na primeira noite em que ficamos juntos, enquanto eu te passava o celular, a bolsa, e parte da minha história confusa. Um sorriso de deleite, aquele que veio acompanhado de um olhar estonteado por não saber quem sou eu pra você, mas, que já refletia a certeza de que somos diferentes de tudo. Aquele sorriso que traduz o quanto nos tornamos distintos quando não estamos escoltados pelo resto do mundo. Sorriso que cheira a perigo constante.

Sorriso que me basta só pelo fato de ser sincero.

Foi pro seu olhar lascivo que eu me entreguei primeiro, mas, se ele viesse desacompanhado do seu sorriso confesso, seria apenas um olhar sensual e vazio; seria, tão somente, um par de olhos brilhantes e incompletos, um pingente de cristal sem o colar de ouro. Seu olhar e seu sorriso são parceiros de um crime perfeito, cúmplices trapalhões que tanto se complementam. Enquanto o seu olhar planeja com maestria o próximo delito, seu sorriso ingênuo te entrega fácil, e assim, não há como não se apaixonar por essa dupla demasiadamente perigosa. O seu olhar é o mandante de tudo, é o chefe do tráfico de corações perdidos. Mas o seu sorriso…

É o seu sorriso que me mata. Assim como seu olhar, seu sorriso é um bandido sem vergonha e sem juízo.

Eu, distraída que sou, quis viver de amor, e caí em sua armadilha disfarçada de amizade. Fui pega pela minha distração imbuída de vontade de estar apaixonada, e me deixei morrer em seu sorriso homicida. Hoje, estou entre o inferno e o paraíso, mas sei que foi uma das mortes mais felizes da minha vida.

Camila Barretto.

— Desafio das Palavras (a versão dela)

Paulino x Camila Barretto

“Desafio das palavras” é um jogo proposto com o objetivo de versar sobre temas vindos de fora pra dentro; inspirar-se ao contrário. Dois poetas, cada um com seu olhar sobre o tema/título