Tenho o meu lado ranzinza. Meu lado que não tolera cantada na rua, que se chateia com toalha na cama, e que reclama de som alto no domingo. Tenho meu lado mandão no relacionamento, que bate o pé quando quer alguma coisa, que diz ironia na hora da briga e que chora de raiva no meio da discussão. Tem hora que nem eu me aguento, mas que bom que esse é só um dos meus lados.

Confesso que, às vezes, eu sou irritante. Eu reviro os olhos, eu suspiro alto, eu viro as costas. Sou do tipo ingênuo que demora pra entender uma piada maldosa, mas que nem de longe é uma santa. Sou sorvete surpresa, sabor de limão. Desde já, quero esclarecer a propaganda enganosa que meu rosto tem feito de mim esse tempo. Definitivamente, eu não sou um anjo, apesar de ter ótimas intenções. Se você teve coragem de ler até aqui, preciso confessar que tenho um lado que só mostro aos íntimos – mas não sou duas caras, vou logo avisando.

Não faço barraco, mas sei fechar o tempo. Tenho imaginação fértil e sou implicante. Não sou bipolar, mas tenho meus dias abatidos. Nem me pergunte o que está acontecendo. Apenas entenda que, em qualquer hora do dia, eu apenas quero curtir minha tristeza no meu canto. Um cafuné nessas horas até que ajuda. Sou assim: gosto do meu espaço tranquilo, de me sentir acolhida em minha bagunça; E eu, que me identifico tanto com cachorros, vejo que tenho muito mais do temperamento de um gato arisco: às vezes, dou carinho, às vezes, eu me escondo.

Sou independente e falante, misteriosa em silêncio. Com quem eu não conheço, até pareço um bichano inofensivo. Pois é. É o que sou, lá no fundo. Ah… Mas quando eu me zango, sou azeda e não é a todo paladar que agrado. Mas quem gosta de mim, fica; porque não apenas gosta, me ama. Apesar dos pesares, sou de fácil convívio. Sou um amor quando me sinto amada e tenho até um quê de candura. A cobertura do sorvete eu escolho a depender do humor de cada dia.

Sou frágil, apesar do gênio forte. Só não venha achando que vai achar em mim a doçura de sempre. Eu sou apenas uma doce mulher ranzinza para aqueles que me têm na intimidade do dia-a-dia. Admiro, no entanto, a coragem de quem experimenta e pede sempre por mais.

Camila Barretto.

— Desafio das Palavras (a versão dela).

Paulino x Camila Barretto

“Desafio das palavras” é um jogo proposto com o objetivo de versar sobre temas vindos de fora pra dentro; inspirar-se ao contrário. Dois poetas, cada um com seu olhar sobre o tema/título.