No nosso pacto nunca esteve escrito que duraríamos pra sempre. Pelo contrário: eu, instável como a água, e você, volátil como o ar, somos, desde sempre, uma promessa de um laço fácil de ser desfeito. Mas, mesmo sem perspectivas de que seremos eternos, meu medo é que, com o passar dos anos, eu me torne uma lembrança banal na sua vida. Ou pior, que nem sequer, eu chegue a me tornar uma mera lembrança. Meu maior medo é não ter representado a mínima influência nas suas escolhas, ou nem ter mudado, em algum detalhe importante, a sua história.

Assim, meu maior receio não é que você se misture em outros corpos ou se entregue a outras bocas, o que não significa que eu não vá me entristecer com isso. Meu maior medo não é te perder, afinal, você é dono de si. Meu receio não é que você me diga para seguirmos em frente, mas sim, que daqui a uma década você me esqueça na gaveta empoeirada das efêmeras paixões que você viveu em sua juventude. Tenho medo que você ignore quem eu fui e aquilo tudo, que um dia, eu desejei ser pra você.

Tenho medo que você, simplesmente, me esqueça.

No fundo, o que eu mais desejo, é que eu consiga penetrar, esporadicamente, em sua rotina e nos seus sonhos. Que, vez ou outra, eu esteja nos perfumes que te hipnotizam, nos livros da sua estante e até nos gatos da rua. Seria estranho desejar que se lembre de mim ao cruzar com os gatos da rua? A minha maior ambição é ser pra você a mulher que marcou seu passado de um jeito tão profundo, que qualquer encontro futuro seja passível de comparação. Meu maior desejo é você contar pros seus netos os momentos bonitos que a gente viveu. E que, mesmo distante, eu seja capaz de te inspirar as melhores saudades e sorrisos.

Já o meu maior medo, sabe qual é? Não ter tido, pra você, a devida importância. Ou, de algum modo, não ter feito qualquer diferença na sua vida, tal como você fez pra minha.

E se o esquecimento for inevitável, meu bem, trago pra ti as palavras do Mario Quintana, “se me esqueceres, só uma coisa, esquece-me bem devagarinho.”

 

 

Camila Barretto.