Há alguns momentos da vida, em que ressurge uma rebelião aqui dentro. Dessas que não há síndico, que não há exército que possa controlar. Dessas que começaram quando eu tinha quinze anos e, vez em quando, chegam para me arrancar suspiros.

Rebeliões no pensamento que fervem o sonho e transbordam as ideias com aforismos doces, trágicos e insanos. Acordo à noite, e nem sequer me reconheço na insônia e na penúria que me fazem contar as horas para o amanhecer. Há algo estranho. Faz algum tempo que trancafiei na gaiola da razão, pensamentos incabíveis que teci por um alguém que foi embora pra nunca mais voltar. Doeu e eu me fechei no silêncio.

Minhas asas da criação se atrofiaram num desgosto que bem me lembro, e apesar de eu ter jogado as chaves fora, na intenção de nunca mais me abrir, você, sem nem saber que era capaz, libertou minhas asas de mim, fazendo-as voar ao seu encontro. Aqui estou eu, escancarada a sorrir. Minhas asas da criação renasceram e pousaram no seu ombro, e isso, certamente, pode ser um novo dilema arriscado. 


Camila Barretto.
Trecho do Texto “Um Amor Feito de Luz”