Parabéns! Esse é seu saldo atual: trezentos e sessenta e cinco dias, doze meses e mais de cinquenta textos escritos em sua intenção. Uma dúzia de encontros apressados, dezenas de beijos apaixonados, diversas noites em que você visitou os meus sonhos. Centenas de mensagens apagadas e alguns abraços apertados. As horas da minha semana. Uma música pra você chamar de sua. Meu coração partido ao meio, a metade do meu coração que te pertence.

Meus piores dilemas. Minhas melhores saudades. Tudo pra você.

São trezentos e sessenta e cinco dias, mais de cinquenta textos escritos, e um material farto pra escrever um livro sobre a gente. Um filme. Um drama. Um romance erótico mais picante que Cinquenta Tons de Cinza. Dois outonos chuvosos, um verão que ficou na lembrança e uma playlist que batizei, secretamente, com um dos seus perfeitos codinomes. Um ano te guardando em meu peito. Um ano te aguardando, menino. Um ano que te conheço, que escuto por aí suas histórias, e que escrevo, em segredo, as nossas. Doze meses que te quero em silêncio.

Você foi teimoso e sabe disso. Você não saiu de mim. Desde o primeiro dia em que falei contigo, desde aquele bendito dia treze, que, por coincidência, foi dia do Santo Casamenteiro. Desde esse momento, você ficou na minha vida e bem no meio dos meus planos. Você não arredou pé dos meus pensamentos. Você insistiu na gente, mesmo quando me disse que era melhor desistir de tudo. Você criou trezentos motivos para mudar de ideia e aparecer de novo e eu, inventei outros sessenta e cinco pra voltar a acreditar na gente.

E assim, o nosso tempo foi passando.

Um ano pensando em seus olhos e os mesmos trezentos e sessenta e cinco dias tentando esquecê-los. Um ano pensando em você – todo santo dia.

 

Camila Barretto.