A confusão das ideias e mistura dos sentimentos coexistentes transcendem a alegria que sua chegada origina. É como aquele navio à vista no meio do oceano, que traz em sua bagagem cheiro de novidade e carrega consigo os ventos longínquos de um lugar que parece próximo, devaneio meu.

A terra já pode ser notada, a chegada da navegação se aproxima, agora mais perto do que nunca, e em toda bagunça empoeirada dos meus dias, na desordem instalada, pulsa em mim um contentamento que quase não consigo descrever. Tenho certeza que essa sensação boa é tão transitória quanto a sua vinda, e tão permanente quanto a saudade deixada.

É chegado o momento.

Vejo-te à margem, estou em êxtase! Antes de encerrar a sua viagem, involuntariamente inicio a minha, mapeando os territórios existenciais da sua mente e sendo grata, aos céus e aos mares por esse encontro particular, bem como, nossas digitais. No obscuro instante, sinto sede de beber até me embriagar de amor, às margens do cais, contemplando a imensidão do mar, eu e você. O cenário é lindo, digno de uma espera emocionante.

Não há como fugir, nem muito menos fingir, tal embriaguez resultou em ressaca: ressaca da alma, do consolo, o deleite de paz que há muito tempo não sentia. O porto onde o navio centralizava parecia seguro, mas compreendo que nenhuma segurança nos assegura, a não ser o desencontro.

Mais uma vez, é hora da partida. A dolorosa partida. Encontro-me à beira mar, descortino minhas preces, rogo para te ver novamente. E você vai… Nem sequer olha para trás. Entende que minha proposta é tentadora e as nossas vontades se coincidem, mas por motivos desconhecidos, ainda assim, resolveu ir…

O navio segue o seu percurso, te leva junto a uma terra que nunca habitei. Tenho saudade de qualquer lugar, pois não sei exatamente onde te encontrar. O mais importante é poder testemunhar o mistério em cada ida, e a alegria do novo em cada chegada. Meu coração encontra-se ancorado no seu. E o meu caos continua precisando do seu cais para renovar as minhas esperanças, em cada surpreendente encontro que o destino nos reserva.

 

— Giulia Christy (Escritor Parceiro)

– – – – – – – – – – – – – – – –
Um pouco sobre elaOlá, muito prazer, me chamo Giulia Christy. Sou potiguar arretada com muito orgulho, acadêmica em psicologia, colecionadora de histórias, amante da vida. Tenho duas décadas de experiências e de alguns tropeços que resultam sempre em aprendizado. Apaixonada pela leitura que me faz viajar sem sair do lugar e pela pureza das crianças que me torna mais sensível a esse mundo desumano. Aquariana intensa, vamos até o fim, ou nem começamos. Fujo dos padrões e a única regra que aceito é a de amar sem medidas.